Shop.Org Summit 2014 começa nesta terça-feira

Maior evento de tecnologia e marketing de comércio eletrônica do mundo vai debater perspectivas e futuro do segmento.

Seattle (EUA)
Seattle (EUA)

O maior evento de tecnologia e marketing de comércio eletrônico do mundo começa nesta terça-feira, 30, aqui em Seattle. Estarão na cidade de Kurt Cobain, Boeing, Starbucks, Amazon, Microsoft e mais de cinco mil representantes do setor de todo o mundo, dentre eles, uma galera de mais de trezentos brasileiros, que costuma ser uma das maiores comitivas do encontro ao longo dos anos.

Shop.org é a versão digital do mega evento anual da NRF – National Retailers Association, que tem décadas de vida e de relevância. O Shop.org Summit 2014 vai discutir o que os outros Shop.Orgs discutem sempre: o momento e as perspectivas do futuro do comércio interativo online.

O conceito geral segue sendo o mesmo, mas obviamente os focos de interesse mudam rapidamente. Uma das estrelas deste ano deve ser o Omnichannel, suas diversificadas características e seu impacto nas operações de comércio eletrônico no mundo todo (um dos painéis previstos no programa pergunta: Do you need a physical Store? Dúvida que não faria o menor sentido pouco tempo atrás e hoje está no centro das preocupações dos varejistas em todo o mundo).

Outros temas como Market Places Are Eating The E-Commerce (uma paráfrase da afirmação de Mark Andreesen segundo a qual “software is eating the world”), o impacto das social networks no varejo online e a novidade da internet das coisas devem também mobilizar o interesse dos presentes.

Dentre as empresas que dominarão o palco este ano estarão eBay, Target, Staples, The Home Depot, Disney Parks, além de gigantes da tecnologia como IBM, Oracle, Adobe e Google, grupos de pesquisa e consultoria como McKinsey, Forester e Gartner ou fornecedores de serviços para a indústria, como Criteo e Adobe.

Um grupo dentro do grupo

Das centenas de brasileiros que estão já por aqui, integro um grupo que me convidou para acompanhar de perto o evento e que tem 43 participantes, vindos cada um de um setor do negócio. O grupo se chama Missão Shop . Org e vem sendo organizado por jovens lideranças do comércio eletrônico brasileiro. Quem deu o kick off em 2007 foi Alessandro Gil, hoje country manager da Rakuten Marketing Brasil (então ainda diretor de marketing da Ikeda, adquirida em 2011 pela Rakuten). Somaram-se Leo Cid Ferreira, socio-fundador da Ad Dialetto, e Victor Poper, sócio-fundador da All In Mail (adquirida pela Locaweb ano passado). Hoje, o grupo se compõe basicamente de empreendedores, empresários e jovens executivos de grandes players do varejo online do País e de seus parceiros de negócio, representantes de uma geração que certamente vai ditar o ritmo do setor nos próximos anos.

Em meio aos jovens, alguns nomes emblemáticos do e-commerce brasileiro, como Flavio Jansen, um dos criadores do submarino.com, hoje CEO da Locaweb, e Pedro Guasti, sócio e líder do e-Bit desde sempre, hoje um dos evangelizadores do Grupo Buscapé e advisor de empresas.

Duas conversas, pra começar

O Grupo começou os trabalhos de aprendizado antes mesmo do início do evento, com duas iniciativas : visita a loja teste da Hointer e bate bola com a Diretora de Marketing Digital da Sephora.

Hointer e uma operação pioneira de integração entre a experiência física na loja e o mundo virtual. Nas cinco lojas Hointer dos Estados Unidos, o consumidor escolhe o produto que deseja provar em devices moveis na própria loja, que apresentam variedades de modelos e tamanhos. A um comando remoto o produto escolhido e entregue num provador. Caso não tenha gostado, o consumidor coloca o produto de volta em um dispenser e outro mais adequado será novamente entregue a ele.

Na conversa com Lindsay Chastain, diretora de marketing da Sephora, o grupo pode entender como as dificuldades que enfrenta no mercado brasileiro não diferem muito das do gigante internacional de cosméticos.

Lindsay confessou que seu financeiro tem ainda dificuldade de entender e adotar métricas de performance e ROI que acompanhem a jornada integral do consumidor, atendo-se fundamentalmente ao click final. Sephora tem ainda dificuldade também em tornar reais as praticas de integração de canais, em busca do nirvana do omnichannel.

Bom começo. Mais por vir.

Escrito por: Pyr Marcondes, de Seattle (EUA)

Fonte: ProXXima

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *